27 junho 2006


Mar agitado este que me embala. Salpicos de sal na pele apimentada, que ardem nos olhos quebrando visões.
Silêncio de um falar entredentes, entrelinhas e cheio de um não querer falar, imponente.
O ar inquieto, esperando o fumo que se adivinha, asfixia. De repente, calmaria. Espera embalada numa noite fria. Fria ao ponto de provocar um daqueles arrepios, inquietantes.
O luar promete um desfecho...
Estou aqui, viva. E cada vez com mais vontade de viver!

22 junho 2006

21 junho 2006

??????????????????????????????

Um casal de namorados estava a fazer amor.
- Não tens sida pois não?
- Claro que não!
- Ainda bem porque não quero apanhar isso outra vez!

Crescimento económico


Prevê-se que hoje, por volta das 15 horas, a produtividade em Portugal cresça de forma exponêncial, devido a um certo jogo entre um país que detesta cerveja, caracóis e faltar ao trabalho, e o país dos burritos...

20 junho 2006

Espasmo Lííííngual!!!!......

Estava há poucos instantes sentado no sóóófááá... quando me ocorreu a ideia de partilhar connvosco cibernautas a definição de Espasmo Líííngual... E não, não tem nada a ver com o que estão a pensar, suas mentes consporcadas. Á qual como regra, não foge a excepção. Não por seguir a ordem natural das coisas, mas porque também são donas desta teoria algumas das pessoas que lerão, esta definição que com alguma modéstia vos digo, e sendo sincero, que tomo como nossa.
Nunca vos aconteceu (e isto agora é uma pergunta retórica), dizerem algo sem o quererem realmente dizer, e que vos sai pela boca como o incomodativo do gafanhoto ( para quem leva com eles, off course)????............( Errado: Se saltar para os óculos de sol do nosso mais que tudo da altura, e numa fase inicial. Sim, porque a medida que a relação avança já nos cuspimos tanto que ninguém se pode queixar.)
Pois é!!!... Aquele último parentesis era a parte em que riam, ou melhor, pensavam...
Pois é!!!... Já aconteceu a todos...
Temos o famoso Flaita de Beiços e outros que só não enuncio porque não os quero parafrasear sem autorização dos respectivos autores. E digam- me lá... Ninguém diz isto. Toda a gente ( sim , não é o da polícia), sabe perfeitamente que é flauta. Nao sabemos ( segunda pergunta retórica)?????.........
Nada melhor que a exemplificação do empírico para definir vocábulos, como tal deixo para quem tenha o dom da palavra uma definição mais científica, para a expressão. Esperando um dia receber os louros, juntamente com as restantes compinchas, de tão valorosa CONSTATAÇÃO. ( Perceberam o porquê de CONSTATAÇÃO? Agora experimentem enquadra- la num contexto de modéstia)

16 junho 2006

A Boca as Bocas






Apenas
uma boca. A tua Boca
Apenas outra , a outra tua boca
É Primavera e ri a tua boca
De ser Agosto já na outra boca

Entre uma e outra voga a minha boca
E pouco a pouco a polpa de uma boca
Inda há pouco na popa em minha boca
É já na proa a polpa de outra boca.

Sabe a laranja a casca de uma boca
Sabe a morango a noz da outra boca
Mas sabe entretanto a minha boca

Que apenas vai sentindo em sua boca
Mais rouca do que a boca a minha boca
Mais louca do que a boca a tua boca.

David Mourão-Ferreira

E quem fala assim, não é gago!

Um puto dos seus sete, oito anos, no Jornal da Noite, SIC, em directo, há poucos minutos, sobre o Mundial, em geral e o jogo de amanhã, Portugal-Irão, em particular:
"Portugal vai ganhar esta merda aqui!"

15 junho 2006

Estou sem paciência, mas nem sei para quê... Só estou...

Não jogamos paciencias com cartas verdadeiras ha anos...

in Vida no sec. XXI

13 junho 2006

Seus porcos!!!!.........

09 junho 2006

Quase... Broa... de Mel









TU ESTENDE AS TUAS MÃOS
DEIXA O TEU PERFUME
BRISA DO MAR DE ILUSÃO
MEU FOGO TÃO QUENTE
MEU ASTRO SEM FIM
NO CALOR DA NOITE
TRAZ UM BRILHO NO OLHAR
NUM OCULTO ARCO-ÍRIS
OU UM RESTO DE LUAR
UM CHEIRO DE ALECRIM, AMOR
TU DEIXA O TEU OLHAR EM MIM
POISAR DE REPENTE
MEU FOGO TÃO QUENTE
ROUPA AO ABANDONO
MEMÓRIA DE CHUVA
A BORDAR A NOITE E O LUAR
TRAZ UM BRILHO NO OLHAR
NUM OCULTO ARCO-ÍRIS
OU UM RESTO DE LUAR
UM CHEIRO DE ALECRIM, AMOR
TRAZ UM BRILHO NO OLHAR
NUM OCULTO ARCO-ÍRIS
OU UM RESTO DE LUAR
UM CHEIRO DE ALECRIM, AMOR
TRAZ UM BRILHO NO OLHAR
NUM OCULTO ARCO-ÍRIS
OU UM RESTO DE LUAR
UM CHEIRO DE ALECRIM, AMOR

Sou rica em sonhos... sou pobre, pobre em oiiiiro...

07 junho 2006

Dizer Porquê e Para Quê

Dizer porquê e para quê do que descubro
que a vida ensina ou julgo que ela ensina?
Se o só descubro quando passou tempo,
e a gente já passou como eu também?
Se quem me leia não me entenderá?
-ou são mais velhos e já sabem,
ou mais antigos e têm outra língua
ou são mais jovens crendo que o saber
é a sua descoberta em que de passo em passo
descobrirão que a vida não ensina
senão o que mais tarde em nós descobriremos
de quanto nunca foi ou não escolhemos.
Di-lo-ei por mim e para mim?
Porquê aos outros? Que comum tenho com eles
além de lhes dizer que não importa dizer o que não dizem?
se não há maneira alguma de viver de novo
o que quiséramos que a vida fora?
E se outros não de nós mas de si mesmos
já descobriram de outro modo a mesma coisa,
ou hão-de descobri-la?
De experiência falamos e falemos.
E nenhuma serve a ninguém. Que tê-la não atendo
Ou que não tê-la tendo-a é o que se diz dizendo.

Jorge de Sena

Free Counter
Free Counter